Uma colaboração industrial digna de ser copiada

Marcelo Costa, pesquisador na Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, e Aline Kraemer, estudante de doutorado no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), ambos no sudeste brasileiro, chegaram em Linköping durante um inverno anormalmente nevado. Eles também vivenciaram um verão que os suecos não estão acostumados – o mais quente que se possa lembrar. Mas ambos somente balançam a cabeça quando os nórdicos reclamam do calor: “É assim que são os invernos no Brasil.”.

Visita de seis meses

Marcelo Costa e Aline Kraemer têm atuado como pesquisadores na Divisão de Controle Automático, na Linköping University (LiU), por seis meses. Eles estão na Suécia através de um programa de intercâmbio Sueco-Brasileiro desenvolvido e organizado pelo CISB, com a ajuda do centro de competências LINK-SIC. Pesquisas bem sucedidas com uma colaboração bem próxima com a indústria há muito são comuns na Divisão de Controle Automático, e LINK-SIC, que é financiada pela Vinnova, e opera em colaboração com, por exemplo: ABB, Saab e Scania.

Aline Kraemer, na metade de seu doutorado, está trabalhando com a análise de simulação de voos para determinar o que pode dar errado. Seu objetivo é desenvolver um algoritmo de diagnóstico de falhas que ajudará a aumentar a segurança dos voos.

“Eu conheci e tive debates com pesquisadores aqui na LiU, e com pessoas da Saab. Eu fiquei mais segura quanto ao que irei focar na minha pesquisa de doutorado. No Brasil não temos estudantes de doutorado em colaboração com a indústria, e é interessante discutir sobre isso com as pessoas aqui na divisão”, ela disse.

A grande diferença é como os estudantes de doutorado são vistos no Brasil e na Suécia. “No Brasil, nós somos postos juntamente aos estudantes, mas na Suécia eu posso trabalhar junto com professores e outros pesquisadores. Isso faz uma grande diferença.”

Colaboração Industrial

Marcelo Costa também está trabalhando na área de falhas, mas ele está desenvolvendo algoritmos de machine-learning que permitem que o robô ou avião saiba que algo está dando errado e consiga avisar antes que o acidente ocorra. Ele recebeu acesso a um grande banco de dados da ABB Robotics, e sua pesquisa se trata de como se beneficiar de todos os sensores do robô, permitindo chegar a suas próprias conclusões sobre o que está começando a falhar e quando é hora de manutenção. “Os mesmos algoritmos e métodos matemáticos são usados em machine-learning tanto para robôs como para aviões” Marcelo Costa conclui.

Ele vê uma grande diferença na colaboração com a indústria. “Alguns professores aqui dividem seu tempo entre a indústria e a universidade. Eu nunca vi algo assim no Brasil. Essa troca é interessante para ambos os lados: nós encontramos quais questões precisam ser resolvidas na indústria, e, enquanto isso, avanços teóricos podem ser usados em aplicações industriais. Minha universidade pertence e é financiada pelo governo brasileiro, mas meu departamento, que realiza pesquisas dentro da produção, possui alguns projetos em colaboração com a indústria. Isso de maneira alguma é comum,” diz ele.

Ele também está impressionado pela maneira como os pesquisadores da Divisão de Controle Automático trabalham. “Estou impressionado com a maneira como a divisão é gerida, como o trabalho é planejado, tanto a curto como a longo prazo. Nós temos reuniões toda segunda-feira, onde tais assuntos são discutidos. A colaboração com a indústria também é interessante, pois é assim que os estudantes se envolvem através dos projetos de graduação.” 

Marcelo está planejando levar alguma dessas ideias com ele para a casa.
“É difícil mudar como as coisas são organizadas lá em casa, mas podemos trabalhar juntos em pequenos grupos. Em colaboração com os colegas, nós conseguimos pedir financiamento e estabelecer laços mais próximos com a indústria. As pessoas estão interessadas nisso”, diz ele.

Source: SVENSELIUS, Monica Westman. Industrial collaboration worth copying.Available on https://liu.se/en/news-item/industrisamarbete-vart-att-ta-efter. Access on February 12nd, 2019.