De olho no futuro

bol30 not01

Identificar cenários futuros dentro do segmento de Defesa Aérea e analisar o que está sendo feito para atendê-los é um trabalho estratégico para a soberania nacional de qualquer país. Há tempos a Suécia vem realizando cursos em que as Forças Armadas, a Swedish Defense University e a Saab revisam e evoluem sua colaboração conjunta visando aperfeiçoar esse processo.

O CISB aproveitou a oportunidade e adaptou esse curso para a realidade brasileira, dando continuidade a outras atividades em Gestão de Inovação feitas anteriormente e oferecidas para o setor de defesa do pais. O resultado foi o encontro Executive Course in Scenarios & Technology Forecasting, que aconteceu entre os dias 16 e 19 de abril, em São José dos Campos (SP).

O evento reuniu representantes das Forças Armadas, do Ministério da Defesa do Brasil e da Embraer com representantes das Forças Armadas da Suécia e da Saab. O objetivo foi passar aos brasileiros informações sobre o papel de um processo de planejamento de longo prazo e como os cenários futuros são construídos a fim de dar suporte a esse planejamento.

Ao longo dos quatro dias, houve palestras, apresentações e exercícios em grupo durante os quais os participantes praticaram a aplicação de métodos e modelos. “Mostramos a maneira sueca de trabalhar com cenários e previsão de tecnologia em um ambiente hélice tripla, o que resultou em um desenvolvimento inovador muito forte”, diz o coronel reformado Mats Olofsson, com experiência nas Forças Armadas Suecas e um dos palestrantes do evento.

Para Knut Övrebö, Engenheiro Chefe da área de Sistemas Aéreos Futuros da Saab e que também palestrou no curso, reunir gente das Forças Armadas e da Indústria (no caso, a Embraer) foi importante para a complementaridade do conhecimento, já que ambos os lados possuem muita experiência, porém em diferentes áreas. Övrebö destaca um outro benefício propiciado pelo encontro: o início de formação de uma rede entre os participantes brasileiros. Segundo ele, a ação permitirá que oficiais da Aeronáutica e engenheiros da Embraer “se conheçam e saibam como ambos podem se apoiar com expertise em trabalhos futuros”.

O processo de aprendizagem não deve parar por aí. Olofsson diz que o objetivo é continuar e ampliar a colaboração entre Brasil e Suécia no setor aeronáutico. Ele projeta a criação de projetos em baixo TRL (Technology Readness Level), principalmente em pesquisas entre universidades, e em alto TRL, com demonstradores e a indústria como principais atores. Mats Olofsson ainda acrescenta que a INNOVAIR, programa nacional de inovação estratégica da Suécia, e a Saab “estão preparadas para apoiar o CISB com mais cursos do mesmo tipo, bem como com um curso de acompanhamento que poderia ir um pouco mais a fundo nos cenários e desafios tecnológicos do futuro”.