Passo para o futuro

bol30 not01

Entre os dias 2 e 5 de abril, os maiores especialistas brasileiros na área de manufatura aditiva de metais tiveram uma ótima oportunidade para aprofundar os seus conhecimentos. No período, cinco instituições organizaram um workshop focado exclusivamente na área. São elas: Akaer (empresa de soluções tecnológicas para os mercados aeroespacial e de defesa), ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), Instituto Senai de Inovação em Laser, Instituto Senai de Inovação em Sistemas de Manufatura e Instituto Senai de Inovação em Engenharia de Superfícies.

O segmento é estratégico. Uma pesquisa da consultoria Wohlers Associates indica que o mercado de manufatura aditiva de metais cresceu 80% entre 2016 e 2017, enquanto o restante da área, que inclui polímeros e outros materiais, registrou alta de 21%. A indústria mostra os porquês dessa tendência. Segundo dados da General Electric, um motor de demonstração para aviões, que conta com 35% de suas peças construídas por manufatura aditiva, contribuirá para a redução em 5% do peso da aeronave e melhoria de 1% no consumo de combustível. A empresa ainda diz que o tempo de produção também evidencia uma mudança drástica: de 12 para apenas seis meses. Isso sem contar o número de partes do equipamento: de 850 de um motor convencional para somente 12.

Os dados reforçam a necessidade da indústria brasileira em se atualizar dentro dessa novidade, e o workshop permitiu exatamente isso. O encontro foi realizado em duas cidades. Nos três primeiros dias, houve reuniões fechadas em Joinville (SC) para debater os resultados de um amplo projeto de colaboração entre Brasil e Suécia no setor que envolve oito atores em constante troca de informações entre indústrias, universidades e empresas (mais informações no link: http://cisb.org.br/pt/comunicacao/boletim-cisb/363-tecnologia-nacional-com-input-sueco).

“Acredito que seja o maior projeto bilateral entre os dois países em número de parceiros”, diz Joselito Henriques, Diretor de R&D and Innovation da Akaer. Entre as maiores conquistas da ação está a formação de projetos-semente financiados pelo Senai Departamento Nacional e pela Vinnova (agência de inovação sueca).

Já no dia 5 de abril, um grupo seleto de pessoas envolvidas em pesquisas na área de manufatura aditiva de metais de todo o país compareceu à sede da Akaer, em São José dos Campos (SP), para participar de um encontro em que foi mostrado tudo o que vem sendo desenvolvido no Brasil dentro do segmento e falar sobre o conceito de consórcio internacional para pesquisas. Estavam presentes representantes da Embraer, Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), MSC (empresa de software), USP (Universidade de São Paulo) São Carlos, IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), Petrobrás, entre outros.

“Estamos construindo uma verdadeira rede de pesquisa aplicada entre Brasil e Suécia envolvendo grande número de parceiros”, diz Henriques. Segundo ele, essa rede é fortalecida por meio da proximidade entre as pessoas, e eventos como o workshop são ambientes ideais para estreitar laços e consolidar novos contatos. Aliás, alguns participantes do encontro aberto já iniciaram as conversas para consolidar novas parcerias.

O projeto segue em andamento. Enquanto busca novos participantes, o consórcio de oito empresas continua a fortalecer seu relacionamento com instituições de todo o mundo. E o próximo workshop será realizado entre os dias 20 e 24 de agosto, na Suécia.